A polícia francesa encontrou três engenhos explosivos artesanais no supermercado de Trèbes, no sudoeste do país, onde na sexta-feira um homem fez reféns e acabou abatido pela polícia, num sequestro que provocou quatro mortos e 15 feridos.

Nas buscas efetuadas após o atentado em Trèbes, as autoridades encontraram três bombas artesanais, além de uma arma e de uma faca de caça, que supostamente pertenciam ao sequestrador, revelam fontes judiciais, citadas pelo jornal Le Figaro,

Antes do ataque ao supermercado, o homem roubou um carro, feriu o condutor e matou o outro ocupante do veículo em Carcassone, além de disparar vários tiros contra um grupo de agentes policiais.

Até agora foram detidas duas pessoas relacionadas com o sequestrador, que foi identificado como Radouane Lakdim, um marroquino de 26 anos, já antes referenciado pela polícia, ainda que por crimes menores. Os detidos são uma mulher, "próxima do autor dos ataques e que partilhou a vida com ele", e um jovem de 18 anos, amigo do autor do atentado, revelaram fontes judiciais.

Os ataques são tratados pelas autoridades francesas como um incidente terrorista. Quando entrou no supermercado em Trèbes, Radouane Lakdim identificou-se como um “soldado do Estado Islâmico” e exigiu a libertação de Salah Abdeslam, o único sobrevivente dos ataques de 13 de novembro de 2015 em Paris.

Poucas horas depois, o Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelos ataques.