O atentado contra o jornal satírico francês «Charlie Hebdo», sediado em Paris, está a gerar uma onda de solidariedade nas redes sociais. No Twitter já foram partilhados mais de 900 mil tweets sobre o ataque que fez pelo menos 12 mortos, na manhã desta terça-feira.

Se inicialmente a hahstag mais utilizada era #CharlieHebdo, nas últimas horas a hashtag    #JeSuisCharlie  (EuSouCharlie) tem estado presente na maioria das mensagens dos utilizadores, que têm mostrado choque e indignação perante o ato perpetrado contra o jornal satírico francês.





Uma hashtag que já se tornou num movimento de expressão global e que, por isso mesmo, também já foi reproduzida noutras línguas, como o inglês #IAmCharlie e o espanhol #YoSoyCharlie. 
 
Os utilizadores lamentam a morte das vítimas, destacando a perda de grandes cartoonistas franceses, como Cabu. Muitos acompanham ainda as palavras de pesar com alguns trabalhos dos autores falecidos, em jeito de homenagem.

 
 

 A revista espanhola «Mongolia» também aderiu ao movimento de solidariedade, reproduzindo esta terça-feira uma caricatura do profeta Maomé na sua página na Internet. O editor Gonzalo Boye considerou o ataque «uma aberração» e disse que a publicação espanhola vai difundir as imagens pelas quais os seus companheiros franceses «foram assassinados».