O Estado Islâmico reivindicou, esta segunda-feira, o ataque deste domingo na cidade alemã de Ansbach, onde um homem se fez explodir e feriu 12 pessoas, junto de um restaurante. Horas antes as autoridades alemãs já tinham confirmado a existência de um vídeo onde o refugiado sírio, que levou a cabo o ataque, revelava as suas intenções e jurava lealdade ao Estado Islâmico.

Os ministros do Interior da Alemanha e da Baviera revelaram, esta segunda-feira, numa conferencia de imprensa, em Berlim, mais informações sobre o autor do ataque que feriu 12 pessoas na noite deste domingo.

A explosão ocorreu na cidade de Ansbach, na Baviera, na noite de domingo, em frente ao restaurante Eugens Weinstube, e perto do local onde iria realizar-se um festival de música, onde estavam concentradas cerca de 2.500 pessoas.

Este foi o quarto ataque nesta região no espaço de uma semana.

O ministro do Interior da Baviera, Joachim Herrmann, disse que o bombista suicida de Ansbach aguardava a resolução de um pedido de deportação para a Bulgária, depois de lhe ter sido negado o pedido de asilo na Alemanha. Sabe-se agora que o refugiado sírio de 27 anos tinha seis contas na rede social Facebook e que, pelo menos, numa delas utilizava identidade falsa.

Apesar da forte presença nas redes sociais, a polícia alemã não encontrou, até ao momento, qualquer ligação entre o bombista e grupos terroristas.

Por outro lado, o Ministro do Interior da Baviera disse que foi encontrado um vídeo, no telemóvel do jovem refugiado, onde este dava conta, em árabe, das suas intenções, antes de concretizar o ataque. A mesma fonte refere que o atacante terá jurado lealdade ao Estado Islâmico e que o vídeo confirma a intenção terrorista do ataque. No momento do ataque, o bombista tinha também um rolo de notas de 50 euros.

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou o ataque. A informação foi avançada pela agência de notícias Amaq. Num comunicado, o EI afirmou que o refugiado sírio era soldado do grupo e terá tido como alvo "nações da coligação que têm combatido o EI".

 

Uma tradução provisória mostra que ele anuncia expressamente o ataque, em nome de Alá, e jura fidelidade a Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico, num ato de vingança contra os alemães porque se estão a afastar do caminho do Islão ", disse o responsável do Governo numa conferência de imprensa coletiva.

Ansbach situa-se a sudoeste de Nuremberga e é também onde se encontra uma base militar norte-americana.

"Acho que depois deste vídeo não há nenhuma dúvida que o ataque era um ataque terrorista realizado por um fundamentalista", acrescentou Joachim Herrmann.

A polícia frisou também que o homem tinha “feridas de guerra”. Aos 27 anos tinha sido membro da polícia em Alepo, na Síria, e terá atentado contra a própria vida mais do que uma vez. Os problemas associados a estados depressivos terão justificado o apoio psicológico que recebia.

Fonte policial disse ainda que o refugiado sírio e outra pessoa, cuja identidade não foi revelada, terão apresentado queixa sobre uma terceira pessoa, alegando que pertencia ao Hezbollah, movimento xiita libanês.

O procurador de Ansbach confirmou, segundo escreve a Reuters, que ainda decorrem investigações para perceber se existem outras pessoas envolvidas no ataque, uma vez que o homem tinha na sua posse material suficiente para criar outro engenho explosivo.

Segurança reforçada

O Ministro alemão do Interior, Thomas de Maiziere, referiu que a segurança nos aeroportos, estações de comboio e metro e nas fronteiras foi reforçada depois dos recentes ataques no país que vitimaram nove pessoas em Munique e feriram 12 pessoas em Ansbach.

"O que parece ser particularmente importante neste momento é aumentar a presença policial nos espaços públicos", disse Maizière na mesma conferência de imprensa, em Berlim.

"A polícia federal reforçou a sua presença nos aeroportos e estações de comboios, fazendo ainda revistas aleatórias nas zonas de fronteira ", acrescentou.