Uma série de atentados contra a polícia e milícias que lutam contra a Al-Qaeda, fizeram, esta quinta-feira, 11 mortos e 33 feridos, perto de Bagadad e em Mossul.

Quatro pessoas, incluindo um chefe das «sahwa» (milícias formadas por ex-rebeldes que combatem a Al-Qaeda), foram mortas em Balad, a 75 quilómetros a norte de Bagdad.

O coronel da polícia, citado pela AFP, conta que «uma mina caseira explodiu na passagem do carro do líder local das "sahwa", Dhiab al-Ali, onde também estavam sua mulher, seu filho e seu neto», perto de Balad.

Em Mossul e Bagdad, dois atentados suicidas mataram quatro policiais e feriram outras 33 pessoas.

Um soldado iraquiano morreu, também em Mossul, baleado por um atirador isolado. Em Mossul, uma fonte da polícia local, citada pela AFP, acrescenta que um civil foi assassinado no meio da rua por desconhecidos que conseguiram fugir.

Já em Kirkuk, a norte de Bagdad, um advogado xiita foi morto, com uma bala na cabeça, dentro do próprio escritório.