A polícia não confirma, mas os órgãos de informação belgas estão a avançar a suspeita. Os ataques a Bruxelas estariam a ser planeados para a segunda-feira da Páscoa, pela sua importância para os cristãos, e terão sido antecipados devido à detenção de Salah Abdeslam na última sexta-feira.

Os terroristas teriam medo que o principal suspeito ainda vivo dos ataques de Paris os denunciasse, avança o jornal francês Le Soir.

Por este motivo, a dimensão dos ataques terá sido também menor do que o que estava planeado para a próxima segunda-feira.

A descoberta destes novos dados estará ligada ao facto de ter sido encontrado um documento no computador de Ibrahim El Bakraoui, um dos bombistas do aeroporto, na sequência das investigações a Schaerbeek.

No documento, Ibrahim revelava ter receio de, mais cedo ou mais tarde, “acabar numa cela” como Salah Abdeslam.

O homem afirmaria, ainda, que já "não estariam em segurança" e que estavam "cercados por todos os lados".

De facto, Salah Abdeslam, que aceitou entretanto ser extraditado para França, estaria a planear "qualquer coisa" em Bruxelas, conforme avançou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Bélgica, Didier Reynders, no último domingo.

Logo depois dos atentados, a polícia encontrou, em Schaerbeek, 15 quilos de explosivo TATP, 150 litros de acetona, 30 litros de água oxigenada, detonadores e material variado usado no fabrico de bombas, e ainda pregos.