Depois dos atentados de 13 de novembro, em França, que tiraram a vida a 130 pessoas, a companhia  de transportes francesa, SNCF,  quer proteger os seus utentes de novos ataques terroristas, através da colocação de 40 mil câmaras de videovigilância que, para além da imagem, medem também “a temperatura corporal, avaliam o tom de voz e os gestos, de modo a perscrutar comportamentos de ansiedade” que, por conseguinte, podem antever atos terroristas, explicou Stéphane Volant, da SNCF, à agência AFP.

Antes de pôr em prática o método, é preciso autorização legislativa, mas os testes já estão em curso, “nos termos da lei” e da Comissão de Proteção de Dados francesa, frisa a responsável pela empresa.

Estas não são únicas medidas de segurança que a empresa de transportes públicos francesa quer ver implementada. Também está a analisar a colocação de câmaras nas fardas dos funcionários e a criação de uma aplicação, para smartphone, para que os utentes possam comunicar comportamentos suspeitos durante as viagens e nas plataformas.