A polícia revelou esta sexta-feira, uma semana depois dos atentados de Paris, que o cabecilha da carnificina foi visto no metro de Paris nessa noite. A informação é citada pela AFP. 

O cérebro dos ataques era, acreditam as autoridades,  Abdelhamid Abaaoud, que foi morto na operação policial de Saint-Denis, na quarta-feira, confirmou ontem a Procuradoria de Paris. 

A imprensa francesa detalha que nas câmaras de vigilância da empresa de transportes públicos RATP há registo da sua imagem pelas 22:00, na noite do massacre, em Croix de Chavaux, perto Montreuil, na linha 9. Essa localização fica a 250 metros de onde a polícia encontrou um carro assento com três armas lá dentro.

Para a investigação, isso significa que ele poderá afinal ter feito parte de um dos grupos que realizaram os ataques. Inicialmente, pensava-se que ele estava, supostamente, bem longe, na Síria e que de lá teria coordenado as operações terroristas. 

Mas, afinal, andava pelos arredores da capital francesa e não foi com nenhuma indicação dos parceiros europeus que o governo francês soube disso. Foi mesmo uma  pista dada por Marrocos.

Segundo o Governo francês, o mentor dos atentados esteve envolvido noutros quatro planos terroristas que foram evitados ou saíram frustrados, de um total de seis detetados desde a última primavera. 

O primeiro-ministro francês mostrou ontem preocupação sobre o facto de o jovem ter circulado à vontade. Daí que França quer saber como foi possível o mentor dos ataques atravessar fronteiras mesmo sendo procurado.