O primeiro-ministro da Tunísia anunciou que o autor do ataque de sexta-feira numa praia tunisina, em que morreram 39 pessoas, “se radicalizou sobretudo ‘online’”.

Num entrevista à CNN, Habibi Essid disse que o jovem de 23 anos tido como responsável pelo pior ataque jihadista na Tunísia também pode ter recebido treino numa mesquita na Líbia. Seifeddin Rezqui, estudante universitário, acabou morto pela polícia durante o ataque.

As autoridades tunisinas prenderam um grupo de suspeitos associados ao atirador, adiantou, por sua vez, o ministro do Interior, segundo a Reuters. Najem Gharsalli não revelou, no entanto, detalhes sobre os indivíduos que foram detidos.

Os exames forenses revelaram que o jovem provavelmente foi o único atirador, embora outras pessoas possam ter estado envolvidas no planeamento e organização do ataque.

Pode ver-se, num vídeo, o autor do atentado a passear na praia
 

Leia também: 

Atirador: de fã do Real Madrid a terrorista do Estado Islâmico

Os rostos da tragédia


A ministra britânica com a mesma pasta, Theresa May, e os seus homólogos francês e alemão visitaram o local do ataque e deixaram flores na praia, numa homenagem às vítimas, na sua maioria britânicas. 

Os governantes prometeram ajudar a Tunísia no reforço da segurança, serviços de informações e treino da polícia, comprometendo-se, igualmente, a ajudar a manter o turismo vivo no país. 

A polícia tem estado a patrulhar a orla costeira, onde ainda permanecem, de férias, alguns turistas europeus.