O ataque terrorista a um supermercado em França, esta sexta-feira, fez quatro vítimas mortais e 15 feridos, entre os quais um português. Este sábado, o secretário de Estado francês Christophe Castaner divulgou, através do Twitter, a identidade das vítimas.

"Quatro destinos quebrados. O de Jean, um homem que acabava de chegar da loja, o de Christian, um enólogo aposentado que, como sempre, chegou cedo ao talho, e o de Arnaud, totalmente comprometido... para além da tristeza, a nossa luta deve ser implacável", escreveu Castaner no Twitter.

De acordo com a imprensa francesa, Jean, um sexagenário, era o passageiro do Opel Corsa que foi roubado por Redouane Lakdim em Carcassonne, o mesmo veículo onde seguiria o cidadão português que ficou ferido com gravidade. 

Quanto a Christian Medves, de 50 anos, trata-se do chefe do talho do supermercado onde aconteceu o ataque que foi morto "com um tiro na cabeça". Segundo os amigos, era um homem jovial com "um coração enorme".

Dentro do supermercado, Redouane Lakdim - um cidadão francês de origem marroquina, de 25 anos, que já tinha sido detido por radicalização islâmica - fez ainda uma outra vítima mortal: Hervé Sosna, de 65 anos, pedreiro aposentado, que "ia a esta loja duas vezes por semana".

Segundo o meio-irmão da vítima, William Durand, em declarações ao jornal regional La Dépêche du Midi, Hervé "tinha grandes habilidades intelectuais, leu muito, especialmente poemas".

"Ele nunca quis deixar Trèbes. Ele nunca pediu nada e matámo-lo assim", afirmou Durand, que via o irmão "todos os dias".

A quarta vítima mortal é Arnaud Beltrame, o polícia que substituiu os reféns durante o sequestro. O tenente-coronel da polícia francesa ficou ferido com gravidade no ataque, vindo a falecer durante a madrugada.

O atacante foi abatido a tiro pelas forças da ordem. O Estado Islâmico reivindicou o ataque.