Atualizada às 18h46

Homens armados, supostamente da Renamo, atacaram esta quarta-feira a vila de Gorongosa, em Sofala, centro de Moçambique, «mas sem criar distúrbios» aos eleitores, que foram votar nas eleições municipais, disse à Lusa fonte governamental.

Autárquicas: Moçambique a votos esta quarta-feira

O ataque ocorreu às 08:00 da manhã (06:00 em Lisboa) na região de Nhambonde, arredores da vila da Gorongosa, onde a poucos quilómetros se havia instalado o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, e que foi desalojado pelo exército para um lugar incerto a 21 de outubro.

«Os disparos iniciaram-se por volta das 08:00, quase uma hora depois da abertura das urnas, mas não houve alarme, porque o exército governamental repeliu os homens», disse à Lusa Paulo Majacunene, administrador do distrito de Gorongosa, que descreveu como «tranquilas» as eleições locais.

Um segundo ataque ocorreu cerca de duas horas mais tarde, no mesmo local, contra a coluna militar que escoltava viaturas a partir de Save para Muxúnguè.

Homens armados, supostamente da Renamo, atacaram duas escoltas militares de viaturas na principal estrada de Moçambique, sem causar vitimas, no dia das eleições municipais.