Os três homens que se fizeram explodir no aeroporto de Istambul eram naturais do Uzbequistão, do Quirguistão e da Rússia, de acordo com fonte oficial turca citada pela Reuters. 

A polícia já tinha avançado com a possibilidade de um dos bombistas ser estrangeiro. Agora confirma-se que, afinal, os três homens não eram turcos.

A imprensa turca divulgou, na quarta-feira, imagens das câmaras de videovigilância que mostravam os suspeitos.

As câmaras de videovigilância captaram um homem, a caminhar calmamente ao lado de um piloto, vestido com calças azuis e um blusão preto, sem bagagem e com o braço numa posição que parece indicar que segura algo por baixo do casaco. 

Uma segunda imagem mostrava outro homem, vestido de preto, no interior do aeroporto, de arma em punho a disparar.

 

Já esta quinta-feira, a polícia turca deteve 13 pessoas, incluindo três estrangeiros, por suspeitas de ligação aos três bombistas que se fizeram explodir no aeroporto de Istambul, na terça-feira e em que morreram 43 pessoas, segundo o último balanço oficial.

As autoridades levaram a cabo 16 buscas simultâneas na cidade turca, segundo apurou a Reuters.

Mostrar solidariedade “não é suficiente”

O ministro do Interior reiterou, esta quinta-feira, aquilo que o primeiro-ministro turco disse logo a seguir ao atentado. Tudo aponta para que se tenha tratado de um ataque com a autoria do Estado Islâmico. Porque falhou a segurança num dos aeroportos mais seguros do mundo? Essa pergunta continua sem resposta. 

Mas a Turquia exige que todos se esforcem para estancar o terrorismo. Por seu turno, o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, disse, esta quinta-feira, em Bruxelas, antes de uma reunião com a União Europeia, que mostrar solidariedade após os ataques “não é suficiente” para combater o terrorismo, de acordo com a Reuters.

As mensagens de apoio e solidariedade para com o povo turco sucederam-se na quarta-feira, incluindo de Vladimir Putin, o presidente russo com quem o presidente Edogan falou ao telefone, dando lugar a tréguas entre os dois países após o incidente com um caça russo. Agora ficou a saber-se que a nacionalidade de um dos bombistas é russa.