Hallel Yaffa Ariel, uma menina de 13 anos, foi esfaqueada enquanto dormia no seu quarto em Kiryat Arba, um bairro judaico da Cisjordânia. O segurança do edifício, que tentou impedir o ataque, foi baleado e encontra-se internado em estado grave.

Após o ataque, a menina foi levada para o Centro Médico Shaare Zedek, em Jerusalém, onde morreu acabaria por falecer. Segundo a imprensa israelita, Hallel terá sido repetidamente esfaqueada na parte superior do corpo.

Segundo a BBC, que cita o ministro da Saúde palestiniano, o suspeito já foi identificado. Trata-se de Mohammed Tarayreh, um jovem de 19 anos, que se terá infiltrado em Kirayat Arba antes de cometer o crime.

Familiares de Hallel lamentando a sua morte, no quarto onde aconteceu o ataque

 

O horrível homicídio de uma menina na sua cama sublinha a sede de sangue e desumanidade dos terroristas com que nos deparamos”, afirmou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em comunicado, acrescentando que "o país inteiro se identifica profundamente com a dor da família".

Este crime aumenta para 34 o número de israelitas mortos desde o início de uma onda de assassinados por esfaqueamentos, tiroteios e assaltos a condutores.