O governo australiano está a pagar aos refugiados dos centros de detenção das ilhas de Manus e Naurau para estes regressarem aos seus países de origem, segundo informações do jornal «SYdney Morning Herald».

Depois de os tribunais australianos terem rejeitado a medida do Ministro da Imigração, Scott Morrison, que pretendia recusar vistos de proteção permanente aos barcos com refugiados, esta é mais uma forma do governo liderado por Tony Abott combater a chegada de imigrantes sem visto.

De acordo com o «Fairfax Media», os refugiados do Líbano recebem recompensas acima dos 7000 euros, os do Irão e Sudão cerca de 5000 euros, sendo a recompensa mais baixa de cerca de 2400 euros para os refugiados do Nepal, Paquistão e Burma.

Scott Morrison confirmou que desde Setembro de 2013, 283 pessoas regressaram de forma voluntária aos seus países de origem, num processo em parceira com a Organização Internacional para as Migrações (IOM).

«Todos os refugiados que regressam são voluntários. A Organização Internacional para as Migrações não permite que os refugiados vão contra a sua vontade», declarou um porta-voz do ministro.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados já condenou estes atos e demonstrou que os esforços da Austrália para combater a crise no país não melhoraram as condições de vida no mesmo.