O presidente do Governo Regional da Catalunha, Artur Mas, assinou esta segunda-feira o decreto a convocar eleições autonómicas na região para 27 de setembro, uma votação que o próprio caracteriza como um "plebiscito à independência".

O decreto, que leva os catalães às urnas pela terceira vez em cinco anos (2010 e as antecipadas de 2012), não inclui qualquer referência ao "carácter plebiscitário" das eleições, como as várias candidaturas independentistas têm feito notar nas últimas semanas.

No documento, as eleições antecipadas de 27 de setembro são tratadas apenas como umas eleições autonómicas - (a visão que o Governo central em Madrid tem tentado fazer passar).

A vice-presidente do governo espanhol, Sorya Saénz de Santaría fez notar isso mesmo: nestas eleições, os cidadãos vão escolher apenas o presidente regional.

Contudo, a frente independentista "Juntos pelo Sim", que inclui a Convergência Democrática de Artur Mas, a Esquerda Republicana da Catalunha de Oriol Junqueras e a Candidatura de Unidade Popular já deu a entender que vai aproveitar estas eleições como uma oportunidade para demonstrar que há uma maioria separatista na região.