O ministério da Defesa da Arménia acusou, esta quarta-feira, as forças armadas do Azerbaijão de abaterem um helicóptero militar que pertencia ao Nagorno-Karabakh, um enclave no Azerbaijão controlado por arménios étnicos.
 
O incidente, o primeiro desde o cessar-fogo de 1994, foi confirmado pelo Azerbaijão e está a colocar tensão entre os dois países, com a Arménia a ameaçar retaliar.
 
«As consequências deste agravamento da situação sem precedentes será muito doloroso para o lado do Azerbaijão», escreveu o ministro da Defesa Artsrun Hovhannisyan na sua página de Facebook.
 
Já o Azerbaijão garante que foi forçado a abater o helicóptero, uma vez que os seus passageiros se preparavam para atacar soldados que guardam a linha de contacto com o enclave.
 
«O helicóptero inimigo, depois de uma série de manobras tentou atacar soldados azeris», respondeu o ministério da Defesa do Azerbaijão.
  
Segundo a agência Reuters, o helicóptero teria três pessoas a bordo, mas não se sabe se sobreviveram.
 
Este incidente demonstra a tensão que ainda se vive na região, 20 anos após o cessar-fogo, sendo regulares as acusações mútuas que incitam a violência na região.
 
Em 1991, aquando do colapso da União Soviética e subsequente conflito entre o enclave (apoiado pela Arménia) e o Azerbeijão, 30 mil pessoas foram mortas de ambos os lados. Até hoje, mesmo com a intervenção da França, Rússia e EUA, um consenso sobre o Nagorno-Karabakh não foi alcançado.