Pelo menos oito pessoas foram assassinadas e três ficaram feridas no assalto de um grupo armado à casa de um líder local na província de Krabi, na Tailândia, um destino popular de praia. Os tiroteios em massa são incidentes raros no país, apesar de as armas serem comuns. Desta vez, na origem do crime estará uma alegada disputa de terras.

O director da polícia provincial, Worawit Panprung, disse que foi aberta uma investigação para determinar o motivo do crime, aparentemente decorrente de um conflito pessoal daquela índole.

O incidente aconteceu na tarde de segunda-feira na localidade de Ban Klang, quando várias pessoas – seis ou sete – com uniforme camuflado entraram na casa de Worayuth Sanglung.

Fizeram quem estava lá dentro refém e, depois, dispararam contra essas pessoas.

"Eles foram encontrados esta manhã. Oito pessoas morreram, três ficaram feridas. Todos foram encontrados na casa", indicou Manat In-prom, um agente de Ao Luk, à Reuters.

Acreditamos que eram cinco ou seis criminosos".

A Tailândia tem uma alta taxa de posse de armas e muitas pessoas transportam-nas para auto-proteção, mas este tipo de incidentes é, realmente, muito raro de acontecer.

De acordo com o Ministério do Interior, existem 6,1 milhões de armas registadas no país. Mas também há muitas a circular ilegalmente.

Dados de 2016 da Universidade de Washington indicam que a Tailândia teve a maior taxa relatada de mortes relacionadas com armas de fogo entre  dez países asiáticos. Para se ter uma ideia, cerca de 50% mais do que nas Filipinas, que ficou em segundo lugar na lista.