Os empregados de um restaurante de fast food no Texas, nos Estados Unidos, trancaram-se dentro do frigorífico, convencidos de que o estabelecimento estava a ser alvo de um assalto quando viram entrar um grupo de homens armados, escreve o «Daily Mail».

No entanto, o grupo de supostos «bandidos» não queria dinheiro, apenas comida e mostrar o seu «ponto de vista». Eram membros de um movimento a favor da utilização de armas em público, o «Open Carry Texas», e iam a caminho de uma manifestação pacífica.

Mas não foram só os empregados a temer o pior. As autoridades pensaram o mesmo e, em poucos minutos, uma dezena de agentes cercou o restaurante «Jack in the Box», em Fort Worth.

«Apareceram cerca de 10 carros da polícia, alguns com dois agentes dentro», contou um dos manifestantes à «NBC5».

Segundo o «Daily Mail», o grupo que defende o direito dos proprietários de armas fazerem-se acompanhar delas, livremente, ficou indignado com a forma como as autoridades lidaram com a situação. Contudo, os agentes responderam que qualquer departamento policial teria feito o mesmo.

«Nós não estávamos a tentar alarmar ninguém. Fizemos isto em defesa dos nossos direitos constitucionais», explicou Edwin Haros, um dos membros do movimento.

Ainda de acordo com as autoridades, «não havia qualquer informação sobre a manifestação, nem ninguém entrou em contato com o Departamento Policial de Fort Worth para nos avisar», observou o sargento Ray de Bush.

Depois do incidente, os manifestantes regressaram ao restaurante para nova refeição e aproveitaram para tirar fotografias com os funcionários.