Uma milionária britânica, desaparecida há seis meses, foi encontrada a viver nas ruas de Milão, depois de, alegadamente, ter perdido a memória na sequência de um assalto, escrevem os tabloides ingleses.

Ariane Lak, de 51 anos, que se diz descendente da dinastia Qajar, de origem iraniana, estava desaparecida há seis meses e foi agora encontrada a dormir na Praça Cesare Beccaria, uma zona comercial muito movimentada de Milão.

A família acreditava que Ariane Lak pudesse estar em Milão, por ter amigos na cidade italiana, e, nesse sentido, contrataram um detetive privado para a encontrar.

No entanto, não é claro por que razão nem a polícia italiana nem a polícia inglesa foram alertadas para o seu desaparecimento.

O detetive privado, um ex-polícia albanês, andou pelas ruas de Milão a mostrar a fotografia de Ariane Lak e a perguntar às pessoas se a tinham visto. Vários sem-abrigo confirmaram ter visto a britânica a dormir na rua.

Acabou por ser encontrada pelo investigador, que se deparou com uma mulher confusa.

Não consigo explicar. Talvez tenha andado pela rua e tenha sido assaltada, caído ao chão e batido com a cabeça. Estou apaixonada por Milão. Residentes, turistas e voluntários ofereceram-me ajuda, mas eu não quis. Eu recusei. Deram-me comida e eu recusei. Eu revirava caixotes do lixo, a tentar encontrar comida. Ficava à porta de restaurantes e hotéis, para tentar comer alguma coisa”, contou Ariane Lak.

A organização “Lucie Blackman Trust”, que apoia cidadãos britânicos no estrangeiro, tinha indicado, no início do ano passado, no seu site, que Ariane Lak estava hospedada num hotel em Milão.

No dia 16 de junho de 2016, um familiar da britânica contactou o hotel e foi-lhe dito que o estabelecimento tinha fechado e que Ariane se tinha mudado para outro hotel nas proximidades. A família não saberia nada da mulher de 51 anos desde essa altura.