Aos 30 anos, pendurou as botas, mas marcou o melhor golo da sua carreira. Nisso, a imprensa argentina é unânime. Alejandro Benítez, conhecido por "Lulo", goleador de serviço do Central Larroque, equipa da série C, decidiu doar parte do seu fígado ao saber que era compatível com o seu pequeno sobrinho de nove meses, que nasceu com uma malformação.

Até ver, as operações, de tio e sobrinho, foram um êxito. Ambos recuperam agora em, Larroque, cidade do nordeste do país, perto da fronteira com o Uruguai, a 250 quilómetros da capital argentina, Buenos Aires.

O pequeno Milo Romani, de nove meses, é filho da irmã do futebolista Lulo. Após o nascimento, foi-lhe detetada uma obstrução nos canais que transportam a bílis, desde o fígado até à vesícula.

Com a vida do bebé em risco, a mãe até poderia ser dadora. Mas uma anterior operação ao coração tornava-a num caso de risco. Esperar por um outro dador compatível, era como que desafiar o "tempo regulamentar" e esperar pela felicidade já nos "descontos". Por isso, o goleador Lulo Benítez nem hesitou.

"Sensações incomparáveis"

As intervenções cirúrgicas foram realizadas no início do mês no Hospital Austral de Pilar, em Buenos Aires. E demoraram mais do que o inicialmente previsto.

Houve uma complicação, porque quando os médicos me operaram, descobriram que tinha duas artérias do fígado, o que é incomum. Felizmente, isso não impediu que se fizesse o transplante. A operação durou um pouco mais do que tinha sido previsto, mas correu tudo bem. A minha durou quase sete horas e a do Milo durou quase 12 horas", contou o futebolista, falando ao telefone com o jornal El Argentino.

Em recuperação, o goleador Lulo assume estar a viver "sensações incomparáveis. Nunca hesitei em doar parte do meu fígado ao Milo. Não me importava nada. Sabia que era compatível e não hesitei".

Recebido em festa

Sexta-feira passada, a cidade de Larroque voltou a receber Lulo Benítez em festa, como um herói. Como tantas outras vezes fizera por conta dos golos que marcava pela equipa local, agora, na hora em que tem de abandonar o futebol, devido à intervenção cirúrgica.

O sobrinho bebé Milo continua a recuperar de forma favorável. Já foi transferido para uma unidade de cuidados intermédios e espera-se que em breve regresse a Larroque, onde o esperam os irmãos Teo, de seis anos, e Luca, de quatro anos.

Quanto a Lulo, a imprensa argentina revela que, tendo de abandonar o futebol, que adorava, a vida ofereceu-lhe ainda outra alegria, além da que teve ao salvar o sobrinho bebé: vai ser pai dentro de poucos meses.

Agora, está na hora de continuar a incentivar a partir da bancada", assegurou Lulo ao El Argentino, acrescentando que "a melhor sensação será quando puder voltar ao relvado com Milo", o pequeno sobrinho.