Um rapaz de 13 anos teve de ser hospitalizado, depois de duas colegas lhe terem colocado viagra no refrigerante, sem que este tivesse conhecimento. Incidente aconteceu em Villa Carlos Paz, em Córdoba, na Argentina.

O caso aconteceu na semana passada, mas só agora foi noticiado pelos órgãos de comunicação social. O menor já está em casa e, entretanto, foi aberta uma investigação à farmácia que vendeu o medicamento às duas colegas do menor, sem receita médica. 

Ele pediu-me para ir almoçar com os colegas de turma num restaurante de fast food, antes da aula de Educação Física. Antes da aula começou a sentir dores abdominais, tonturas e a cara começou a ficar avermelhada. Depois descobriu o que as colegas tinham feito e pediu ao professor para não fazer a aula. Isso foi bom, porque poderia ter sido pior ", explicou o pai do adolescente.

De acordo com o jornal La Voz, o pai do menor foi buscá-lo à escola à hora normal. E só nessa altura é que soube o que tinha acontecido. Seguiram para o hospital, onde o jovem foi consultado por uma pediatra que confirmou a substância no organismo do adolescente e recomendaram 24 horas de descanso. 

No entanto, isto não chegou para descansar o pai que seguiu ainda para outro hospital, onde o menor terá mesmo ficado internado.

O pai da vítima mostrou a sua preocupação ao jornal e garantiu desejar ir até "às últimas consequências" para responsabilizar quem vendeu a medicação, a menores, sem prescrição médica.

O meu filho já está bem fisicamente, mas triste. Sente-se humilhado e desapontado", contou.

Apesar do adolescente neste momento estar bem de saúde, o procurador responsável pela investigação, Raul Ramirez, disse  ao mesmo jornal que este terá de continuar a ser seguido por médicos, por forma a garantir que não existem consequências duradouras. 

O procurador disse ainda que enquanto a investigação estiver a decorrer o nome da farmácia não vai sair a público e lembrou também o perigo que este medicamento representa para um adolescente. 

Estamos perante um ato intencional, ou não, mas irresponsável, por parte de duas adolescentes que lhe deram os comprimidos sem consentimento", explicou o procurador. 

Em causa estão duas regras que podem ter sido violadas: a entrega do medicamento a menores e a ausência de prescrição médica, conforme exigido por lei.

Estamos neste momento a avaliar o papel da farmácia, que é isso o que nos preocupa, pelo fornecimento de uma substância a menores", observou o promotor.

A Jurisdição de Farmácias do Ministério da Saúde, admitiu também ter já aberto uma investigação dedicada exclusivamente a este caso. 

O efeito do sildenafil - compenente do viagra - "depende da dose e do estado de quem o consome. Na idade mais jovem o risco é maior e é também fundamental ter em conta se o indivíduo é saudável ou vulnerável a qualquer patologia" esclareceu Ricardo Fernandez, médico toxicologista, ouvido pelo La Voz. O médico explicou ainda que os efeitos mais comuns são as dores de cabeça e a vermelhidão, mas que também pode causar hipotensão e síncope.