Quando pensa nos perigos que espreitam na praia, provavelmente pensa em tubarões, correntes e remoinhos. Provavelmente, não pensa nos perigos que se escondem na areia. Mas este «assassino silenciosa» ceifou pelo menos três vidas, este verão, nos Estados Unidos da América.

Em Portugal, o balanço das autoridades do número de mortes nas praias nacionais não refere este tipo de casos. Ainda assim, este verão foram quatro as mortes nas praias nacionais.

Segundo relata a CNN, uma menina de nove anos é a última vítima mortal de que há registo. Isabel Grace Franks morreu no estado de Oregon, em Lincoln City, na última sexta-feira, quando o buraco que cavava na areia cedeu, acabando por a enterrar viva.

«Ela e os irmãos estavam a cavar um grande buraco na areia», explicou Brian Eskridge sargento da polícia de Lincoln City. «Estava sentada no interior quando o buraco colapsou. Calculamos que tenha ficado debaixo da areia durante cinco minutos».

A polícia e os bombeiros desenterraram a criança que estava inconsciente e já sem respirar. As equipas de emergência efetuaram as primeiras manobras de socorro, transportaram-na para o hospital, mas a menor acabou por ser declarada morta no hospital.

Antes da chegada das autoridades, várias pessoas tentaram freneticamente desenterrar a criança, mas a areia continua a cair no buraco. «Quando a areia começa a colapsar, escavar passa a ser um resgate técnico», explicou Tom Gill, especialista de uma associação de emergência norte-americana. «É difícil porque a areia começa a colapsar para o buraco e quanto mais as pessoas se juntam à volta, pior é».

«Não é incomum que as crianças construam buracos na areia e castelos, mas muitas pessoas não entendem que pode desabar», disse o sargento. «É difícil para as pessoas compreenderem o quanto é difícil retirar as pessoas», explicou.

A areia seca pesa cerca de 45 quilos por metro quadrado e a areia molhada pesa 54 quilos por metro quadrado, segundo revelou um estudo de 2004 que descreve o que acontece ao corpo humano com o acidente.

«A areia seca pode totalmente engolir e comprimir uma pessoa que fica sem qualquer bolsa de ar para respirar. Dependendo da idade e força da criança, apenas 30 centímetros de areia podem esmagar a respiração e a força do diafragma», lê-se no trabalho citado pela CNN.

O estudo refere ainda que ainda assim, o perigo maior consiste na obstrução das vias respiratórias. «Desimpedir as vias respiratórias é o foco principal do tratamento. Quando feito na área do incidente pode ser crucial para salvar vidas».

O buraco que levou a pequena Isabel era grande o suficiente para caber um adulto.