A Comissão Europeia não tem, para já, qualquer comentário à indicação, pelo Conselho de Segurança da ONU, de António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas.

"Não, neste momento não", respondeu à Lusa um porta-voz da 'Comissão Juncker', respondendo a um pedido de comentário sobre a vitória de Guterres na sexta votação no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Recorde-se que na semana passada, a comissária europeia para o Orçamento, a búlgara Kristalina Georgieva, juntou-se à corrida para o cargo, depois de o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lhe ter concedido um mês de licença sem vencimento.

António Guterres ficou à frente da votação de hoje com 13 votos de "encoraja" e não recolheu nenhum veto.

Depois de cinco votações em que os votos dos 15 membros eram indiscriminados, os votos dos membros permanentes (China, Rússia, França, Reino Unido e Estados Unidos) foram destacados pela primeira vez, sendo assim possível perceber se havia algum veto.

Guterres, "um orgulho para a Europa"

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, já felicitou António Guterres pela sua eleição para a liderança das Nações Unidas, que considera “um orgulho para a Europa”.

Na sua conta na rede social twitter, o socialista alemão Martin Schulz escreveu que já teve oportunidade de falar ao telefone com António Guterres e felicitá-lo “pelas boas notícias que chegam de Nova Iorque”.

Ele será um sensacional secretário-geral das Nações Unidas. Um orgulho para a Europa”, completa o presidente da assembleia europeia na mensagem publicada já hoje de noite.

Esta foi a primeira reação ao nível da União Europeia à votação de hoje do Conselho de Segurança da ONU que ditou o triunfo de António Guterres, a ser formalizado em breve.

Contactada pela Lusa, a Comissão Europeia – cuja vice-presidente Kristalina Georgieva entrou na semana passada na corrida à liderança da ONU - indicou, através de um porta-voz, que “neste momento” não tem ainda comentários a fazer, e também o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, não se pronunciou.

O antigo primeiro-ministro português António Guterres foi hoje indicado como favorito para secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) pelo Conselho de Segurança à Assembleia-geral, que deverá aprovar o seu nome dentro de alguns dias.

O Conselho de Segurança anunciou hoje que o português é o “vencedor claro” da votação, recebendo 13 votos de encorajamento e duas abstenções, uma das quais de um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança com direito de veto.

Este órgão, com poder de veto, deverá aprovar na quinta-feira uma votação formal a indicar o nome de António Guterres para a Assembleia-Geral das Nações Unidas, formalizando assim a eleição do sucessor de Ban Ki-moon.

O novo secretário-geral da organização substitui Ban Ki-Moon e entra em funções a 1 de janeiro de 2017.

Leia também o perfil completo do engenheiro católico e socialista que vai liderar a ONU