Pelo menos 36 pessoas morreram e 47 ficaram feridas após um tumulto durante as celebrações de ano novo na cidade chinesa de Xangai, de acordo com a BBC.

A causa do incidente ainda é desconhecida e a AFP relata, com base em imagens divulgadas pelos media locais, que havia muitas pessoas a rodear os feridos deitados no chão no meio da estrada.

O incidente ocorreu na lotada zona do «Bund», a famosa marginal neoclássica de Xangai, cerca de meia hora antes da viragem do ano, de acordo com a agência oficial chinesa.

Na semana passada as autoridades locais anunciaram o cancelamento da contagem decrescente com imagens a três dimensões que estava prevista para o local por estarem preocupados com a multidão ali concentrada.

O Presidente chinês, Xi Jinping, já pediu uma investigação imediata para apurar as causas da debandada ocorrida durante as celebrações do Ano Novo, na cidade de Xangai, segundo a agência de notícias chinesa.

Esta é uma das mais graves tragédias do género de que há memória na China.

Em janeiro passado, uma debandada numa mesquita de Ningxia, no norte do país, causou 14 mortos, e há três meses, seis alunos de uma escola primária de Yunnan morreram depois de uma escadaria ter ficado bloqueada.

Há cerca de dez anos, durante uma festa tradicional nos arredores de Pequim, uma debandada numa ponte provocou 37 mortos.