Xangai tem sido palco de várias homenagens espontâneas às vítimas da trágica debandada, ocorrida na noite de passagem de ano.

Dezenas de pessoas têm vindo a reunir-se na zona do «Bund», a famosa marginal neoclássica de Xangai, cidade chinesa, palco da trágica confusão, que resultou em 36 mortos, a maioria dos quais jovens.

Os moradores da cidade de Xangai depositam flores no local do incidente, que fez ainda 47 feridos, a pior tragédia a ter a capital financeira da China como palco desde um incêndio num arranha-céus, em 2010, que resultou em 58 vítimas mortais.

A polícia a descartar a tese de que o incidente foi provocado pela distribuição de notas falsas.

A polícia de Xangai afirmou que esperava menos gente para a festa de passagem de ano na cidade e que, por isso, destacou menos agentes comparativamente a outras celebrações, informa esta sexta-feira a imprensa chinesa.

Segundo o diário oficial «Shanghai Daily», a polícia não colocou em marcha algumas das medidas que tinha preparadas, já que previa que a festa contasse com menos pessoas do que no ano anterior.