Annette Bongiorno, empregada de Bernard Madoff, foi condenada a seis anos de prisão, esta terça-feira, por ajudar o americano a realizar o esquema Ponzi, que levou a que os investidores perdessem milhões de dólares, avança a Reuters.
 
A ex-gerente trabalhava para Madoff desde 1960 e foi a segunda, de cinco ex-funcionários, a ser condenado, seguindo as convicções do júri de Manhattan. Em março, o júri acusou Bongiorno de fraude de valores mobiliários, formação de quadrilha e outros crimes.

O norte-americano, Bernard Madoff, cumpre uma pena de 150 anos de prisão por fraude a vários bancos e fundos de investimento. 

Detido no fim de 2008, Madoff foi considerado culpado, em junho de 2009, de ter organizado uma gigantesca fraude piramidal na qual as suas cerca de 16.000 vítimas perderam as várias dezenas de milhões de dólares que lhe confiaram. 

Irving Picardo, mandatário designado para representar as vítimas de Madoff, apresentou queixa a 2 de Dezembro contra o banco norte-americano JPMorgan, acusando-o de ter sido «inteiramente cúmplice» na fraude montada pela antiga estrela de Wall Street, optando «conscientemente», como outros estabelecimentos financeiros, por «desviar o olhar».