O criador da série «Calvin & Hobbes», o norte-americano Bill Watterson, foi hoje o vencedor do grande prémio de banda desenhada de Angoulême, França.

O grande prémio do Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême, que termina hoje, é a mais prestigiada distinção da banda desenhada francófona.

Os outros finalistas do grande prémio eram o japonês Katsuhiro Otomo, autor de «Akira», e o argumentista e escritor britânico Alan Moore (Watchmen).

«Calvin & Hobbes» são pequenas histórias envolvendo um menino e o seu tigre de peluche publicadas entre 1985 e 1995 em 2.400 jornais e com 30 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo.

Bill (William) Watterson nasceu a 05 de julho de 1958, em Washington, e cresceu nos subúrbios de Cleveland. Apaixonado pela banda desenhada desde a infância, foi contratado como desenhador no jornal «Cincinnati Post» depois de terminar os estudos em ciências políticas.

A 18 de novembro de 1985, a «Universal Syndicate Press» publica a primeira «tira» das histórias de Calvin e do seu boneco de peluche. É o princípio de um sucesso extraordinário, com as histórias da infância e da imaginação do jovem e as críticas sociais implícitas a serem publicadas no mundo inteiro e traduzidas em 40 línguas.

Em 1992, Watterson recebeu o prémio de melhor álbum estrangeiro no Festival de Angoulême e, em 1986, já tinha sido premiado também pela Sociedade Nacional de Banda Desenhada dos Estados Unidos.

Em guerra com o seu editor a partir de 1988, que lhe queria impor outros produtos derivados do sucesso de Calvin (merchandising), consegue também recuperar os direitos das personagens que tinham sido cedidos à Universal Press Syndicate e coloca fim a todas as pretensões de criar produtos à volta de «Calvin & Hobbes».

A 31 de dezembro de 1995, em plena glória, Bill Watterson coloca um ponto final nas aventuras do travesso Calvin e do seu inseparável tigre e que só com ele ganha vida.

A partir dessa altura Watterson dedica-se à pintura e à família. Não esteve em Angoulême para receber o prémio.

«Escrever e desenhar são ações lentas, refletidas, que não podem ter distrações», escreveu no prefácio de um livro com histórias de Calvin e do seu tigre.

Herr Seele e Kamagurka receberam o prémio património, pela obra «Cowboy Henk» e «Um fanzine quadrado», revista editada em Genebra, recebeu o prémio de banda desenhada alternativa.

O prémio do melhor álbum foi para «Come Prima», d`Alfred, o prémio especial do júri para «La proprieté», de Rutu Modan, e o prémio de série para «Fuzz & Pluck», de Ted Stearn.

O fanzine luso-angolano BDLP, dedicado à banda desenhada do espaço da lusofonia, estava nomeado para o prémio de melhor banda desenhada alternativa, dedicada a pequenas publicações independentes.

Angoulême, localidade francesa que se tornou conhecida há 40 anos, por acolher o mais importante evento europeu dedicado à banda desenhada, mobiliza, durante o festival, 200 mil visitantes.