O MPLA já cantava vitória desde a madrugada, mas agora, com cinco milhões de votos escrutinados, anunciou mesmo que tem a “maioria qualificada assegurada” e a eleição de João Lourenço para Presidente da República, depois das eleições gerais que decorreram ontem, quarta-feira, no país. Note-se, porém, que ainda não foram divulgados os resultados oficiais.

Eram cerca das 11:50 quando, na sede nacional do partido no poder há 42 anos, o secretário do Bureau Político, para as questões políticas e eleitorais, João Martins, fez o anúncio aos jornalistas.

Temos vindo a fazer a compilação dos dados que os nossos delegados de lista nos têm remetido, das atas síntese que obtiveram das assembleias de voto a nível de todo o país. E, numa altura em que temos escrutinado acima de cinco milhões de eleitores, o MPLA pode garantir que tem a maioria qualificada assegurada".

UNITA contesta 

O vice-presidente do maior partido da oposição , a UNITA, contestou já este anúncio de vitória. Raúl Danda exortou a Comissão Nacional Eleitoral "a ter a coragem de divulgar os resultados provisórios reais" que vão chegando aos partidos.

Não sei de onde o MPLA está a tirar este resultado. Nós estamos a falar daquele que é o resultado real, e que estamos à espera que a CNE tenha coragem de divulgar. Não sabemos porque não o fez até agora".

Era ainda madrugada, quando o MPLA começou a cantar vitória.

Apesar da rapidez com que o partido anunciou a vitória, a contagem dos votos faz-se em duas fases: a primeira provincial e, depois, uma segunda contagem final em Luanda. É preciso esperar pelos resultados oficiais.

Mais de 9 milhões de angolanos votaram para preencher os 220 lugares no parlamento. O cabeça-de-lista do partido mais votado será o sucessor de José Eduardo dos Santos. Ao que tudo indica, esse cargo será então ocupado por João Lourenço.

UNITA denuncia detenções no Huambo

Ainda antes do anúncio formal do MPLA, o maior partido da oposição angolana, a UNITA, denunciou a detenção de várias pessoas pela polícia, em número ainda por apurar, na província do Huambo, no dia das eleições.

A informação foi avançada já hoje pelo secretário provincial do Huambo da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Liberty Chiaka, que fala igualmente em alegados disparos efetuados pela polícia para dispersar as pessoas.

Por outro lado, o presidente da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, convocou hoje o conselho presidencial daquela coligação de partidos angolanos para, entre sexta-feira e domingo, no Mussulo, em Luanda.

A finalidade é proceder ao estudo das probabilidades e lançar as projeções pós-eleitoral em função dos cenários prováveis".