Uma apresentora de televisão norte-americana deu a notícia da morte da própria filha, de 21 anos, vítima de overdose de Fentanyl, um poderoso opioide (analgésico) que tem sido associado a milhares de mortes em todo o mundo, incluindo de várias celebridades.

Emily Groth morreu em maio passado, mas só agora a pivot da KELO-TV, afiliada da CBS na Dakota do Sul, Angela Kennecke, decidiu partilhar a morte da filha com os espectadores, depois de tantas vezes ter feito a cobertura do consumo de opioides nos Estados Unidos.

Angela Kennecke sabia que algo se passava com a sua filha, mas não sabia que esta era dependente de Fentanyl. Estava, inclusive, a preparar uma intervenção à filha quando recebeu o telefonema do marido e pai de Emily que a deixou em choque, contou. Desde então procura a melhor forma de despertar consciências para o que diz ser uma epidemia nos Estados Unidos. 

A perda de um filho, especialmente de forma súbita e chocante, virou o meu mundo de pernas para o ar. Nunca pensei que um membro da minha família pudesse fazer parte das estatísticas que ouvimos nos noticiários da noite. Ninguém pensa. Temos de encontrar melhores formas e mais acessíveis de tratar a adição. Temos também de acabar com o estigma que impede muitos de procurar ajuda, incluindo a minha filha. Se 72 mil pessoas morressem anualmente de qualquer outra causa estaríamos determinados a acabar com o sofrimento de tantas famílias, tantas mães", disse a pivot.