O pirata informático Andrés Sepúlveda afirmou, numa entrevista à Bloomberg Businessweek, que ajudou o presidente do México, Enrique Peña Nieto, a ganhar as eleições de 2012, e interveio em eleições de outros oito países, como Colômbia, Panamá e Venezuela.

O meu trabalho era fazer ações de guerra suja e operações psicológicas, propaganda negra, rumores, enfim, toda a parte obscura da política que ninguém sabe que existe, mas que todos veem”, afirmou o ‘hacker’ colombiano, numa extensa entrevista à revista norte-americana a que o Governo de Peña Nieto já reagiu, negando as acusações.

Sepúlveda, que cumpre uma pena de dez anos de prisão no seu país, explicou que ajudou a manipular as eleições de nove países da América Latina, mediante o furto de dados, a instalação de programas maliciosos ('malware') e através de burlas nas redes sociais.