É um dos medicamentos mais usados para combater as dores, mas um estudo norte-americano avança que o paracetamol pode reduzir as sensações de prazer tal como as dores.

Segundo o estudo, publicado no jornal « Psychological Science», o paracetamol pode fazer mais do que aliviar a dor física: pode mesmo levar a que as pessoas que tomam este medicamento sintam menos dores emocionais, levando a crer que os circuitos cerebrais operam para os dois tipos de dor.

«Ao invés de ser apenas um analgésico, o paracetamol, pode ser visto como um apaziguador de emoções», afirmou Geoffrey Durso, psicólogo social da Universidade do Estado de Ohio, ao jornal «The Guardian».

Durante o estudo foi dado a 82 estudantes 1000 mg de paracetamol ou um placebo semelhante. Uma hora depois, foi-lhes pedido que olhassem para uma série de 40 fotografias, selecionadas para desencadear fortes respostas emocionais: imagens de crianças subnutridas e crianças a brincar com gatos.

Após uma primeira visualização, foi pedido aos estudantes que classificassem de forma positiva ou negativa a fotografia. Depois de ver as imagens pela segunda vez, os estudantes tiveram de indicar a intensidade da reação emocional a cada fotografia.

O estudo revela que os estudantes que tomaram paracetamol tiveram reações menos intensas às imagens, com as fotografias «felizes» a serem vistas como menos positivas e as fotografias «tristes» como menos perturbadoras.

«As pessoas que tomaram paracetamol não tiveram os mesmos altos e baixos do que as pessoas que tomaram placebos», afirmou Baldwin Way, coautor do estudo.

No entanto, a diferença entre as respostas dos grupos não é larga. Os estudantes que tomaram placebo deram às 6.76 (em 10) de classificação. Já os estudantes que tomaram paracetamol classificaram-nas com 5.85. Uma diferença de 0.91.

De acordo com Geoffrey Durso, o estudo vai continuar outros analgésicos, como ipobrufeno e aspirina, para tentar averiguar se produzem os mesmos efeitos a nível das emoções.