A polícia italiana recuperou o relicário que continha o sangue do Papa João Paulo II, avança a Reuters. No entanto, faltam partes do tecido manchado com o sangue do pontífice. O relicário tinha sido roubado no fim-de-samana, juntamente com um crucifixo. Quinta-feira, as autoridades já tinham detido três jovens relacionados com o crime.

O furto aconteceu numa igreja de San Pietro della Ienca, na região de L'Aquilla, em Itália. A igreja fica perto da montanha de Gran Sasso, na cordilheira dos Apeninos, região muito querida por João Paulo II, que a visitou várias vezes nos primeiros anos de seu pontificado para meditar, passear e até esquiar.

A relíquia continha tecido com sangue, um fragmento da batina que João Paulo II usava a 13 de maio de 1981, quando foi atingido a tiro numa tentativa de assassinato.

Os jovens detidos pelas autoridades italianas confessaram o furto e indicaram à polícia onde poderia estar o material. O anuncio foi feito pelo bispo auxiliar da cidade de L'Aquila, Giovanni D'Ercole, numa conferência de imprensa conjunta com a polícia.

De acordo com o clérigo, os ladrões não estavam interessados na verdadeira relíquia, mas sim em alguns fios de ouro que esta continha. São esses fios que estão desaparecidos e que as autoridades ainda procuram. Os detidos têm 18, 23 e 24 anos, todos toxicodependentes, admitiram também que pretendiam vender o material roubado.