A Birmânia assegurou esta terça-feira que não há «mais presos políticos», com o anúncio de uma nova amnistia destinada a cumprir a promessa do Presidente Thein Sein de libertar todos os dissidentes até ao final do ano.

Graças a duas ordens de amnistia, «não há mais prisioneiros políticos», declarou o porta-voz do Presidente birmanês, Ye Htut, na sua página no Facebook.

O número de presos que serão abrangidos e a data da sua libertação não foram, no entanto, especificados.