A polícia do estado brasileiro do Rio de Janeiro utiliza força letal "desnecessária e excessiva", que matou mais de 840 pessoas por ano, em média, entre 2005 e 2014, acusou a Amnistia Internacional, num relatório hoje divulgado.

Ao todo, foram 8.471 mortos por polícias em serviço no período, incluindo 5.132 pessoas na cidade do Rio de janeiro, capital do estado com o mesmo nome, segundo o relatório "Você matou o meu filho".

A organização realçou que o Brasil tem uma das maiores taxas de homicídio no mundo, não considerando apenas os cometidos por polícias, e que, em 2012, 56 mil pessoas foram mortas no país. O perfil de maior vulnerabilidade são os jovens entre 15 e 29 anos (50% das vítimas) e os negros (77%).