Walter Macfarlane e Alan Robinson, nascidos em Honolulu, no Havai, e amigos há mais de 60 anos, descobriram, através de um teste de ADN, que, afinal, tinham mais em comum do que podiam imaginar.

Conheceram-se no sexto ano de escolaridade e desde então nunca mais se separaram. Jogaram futebol juntos no secundário, mas foram para faculdades diferentes. Anos mais tarde, voltaram a Honolulu, puseram os filhos a estudar no mesmo colégio e até chegaram a fazer férias juntos com as famílias. Mas, só ao fim de seis décadas de amizade, é que Walter e Alan descobriram que, afinal, partilham, também, os mesmos genes.  

Robinson foi entregue para adoção assim que nasceu. Decidiu começar a procurar respostas e recorreu a sites de compatibilidade de ADN, na esperança de encontrar os pais biológicos. Mas os resultados não foram animadores, uma vez que havia uma lista com cerca de 800 pessoas com algum grau de compatibilidade. 

Por outro lado, Walter - que nunca conheceu o pai - decidiu, igualmente, recorrer às mesmas empresas, na esperança de encontrar o verdadeiro pai. Os resultados foram surpreendentes e mostraram que ele tinha um cromossoma X idêntico ao de um utilizador chamado "robi737". Robi era, então, o apelido de Robinson, e 737, era uma referência aos aviões que ele pilotava para uma companhia aérea local. 

Com mais algumas pesquisas, os dois acabaram por descobrir que têm a mesma mãe, sendo, por isso, irmãos biológicos. 

Depois da descoberta, os dois decidiram contar a novidade aos familiares e amigos durante o Natal. 

“Foi uma grande experiência, e ainda é. Não sei quanto tempo demorará até que eu recupere desta sensação. Este é o melhor presente de Natal que eu poderia receber.” revelou Robinson à CNN. 

Os dois irmãos, ambos próximos da reforma, planeiam, agora, viagens em conjunto.