Agentes da unidade de combate ao terrorismo da Polícia Metropolitana de Londres juntaram-se esta quarta-feira à investigação aberta depois de duas pessoas terem sido hospitalizadas em estado crítico no hospital de Salisbury, após terem sido expostas a uma "substância desconhecida" em Amesbury, a cerca de 150 quilómetros a sudoeste da capital inglesa.

A localidade de Amesbury fica apenas a 10 quilómetros de Salisbury, onde em março o ex-espião Sergei Skripal, um britânico de origem russa com 66 anos, e a filha de 33 anos, Yulia, de nacionalidade russa, foram vítimas de um ataque com um agente neurotóxico de nível militar de origem russa.

De acordo com a Sky News, os oficiais da unidade de antiterrorismo estão a trabalhar em conjunto com colegas da Polícia de Wiltshire no incidente em Amesbury.

Os dois pacientes "estão a receber tratamento para uma suposta exposição a uma substância desconhecida no Hospital de Salisbury", informou a polícia do condado de Wiltshire em comunicado, designando o evento como "um grave incidente".

De acordo com a polícia de Wiltshire, os serviços de emergência foram chamados na noite de sábado, 30 de junho, depois de um homem e uma mulher, terem sido encontrados inconscientes dentro de uma casa. 

Depois de inicialmente se ter suspeitado que teriam consumido drogas, ambos acabaram por ser internados no Hospital Distrital de Salisbury por suspeita de exposição a uma substância desconhecida e encontram-se em estado crítico.

Nesta altura, ainda não é claro se foi cometido um crime. Mantemos a mente aberta quanto às circunstâncias do incidente. Uma investigação policial foi aberta. Além disso, foi coordenada uma resposta completa de múltiplas agências", indicou a polícia, sugerindo o envolvimento de diversas organizações de segurança britânica.

 

As vítimas foram, entretanto, identificadas como sendo Charlie Rowley e Dawn Sturgess. A polícia diz que a mulher tem 44 anos e o homem tem 45. Ambos residem no condado de Wiltshire e são cidadãos britânicos.

Vários cordões de segurança foram colocados em locais onde as duas vítimas poderiam ter estado e houve um reforço policial nas cidades de Amesbury e Salisbury.

O tablóide Sun e a Sky News noticiaram que amostras terão sido enviadas para o Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa de Porton Down. 

A agência inglesa de saúde pública considerou que não há "nenhum risco significativo para a saúde do público em geral".

Essa opinião será "continuamente reavaliada", alertou um porta-voz da agência citado pela Associated Press.

A 4 de março, Sergei e Yulia Skripal foram encontrados inconscientes e hospitalizados em estado crítico em Salisbury. Ambos tinham sido vítimas envenenamento através de um agente de inervação de tipo militar e foram alvo de tratamento durante várias semanas antes de receberem alta do hospital.

Londres responsabilizou Moscovo, que negou qualquer envolvimento.

O caso provocou uma crise diplomática entre os dois países e expulsões de diplomatas pelo Reino Unido e seus aliados, de um lado, e da Rússia, do outro.