O uso de contraceção na Guiné-Bissau desacelerou em 2013, ficando-se atualmente pelos 11,6%, mantendo-se frequente o método de amenorreia lactacional, segundo um relatório sobre planeamento familiar publicado esta segunda-feira em Londres.


O método de contraceção mais popular na Guiné-Bissau é o dispositivo intra-uterino (28,2%), seguido de preservativo (22,5%) e do método de amenorréia lactacional (19,7%), um método natural que usa a amamentação para impedir a ovulação feminina.


A pílula, um método comum noutros países, só tem uma adesão de 8,5%.