Um fragmento de alumínio encontrado numa praia do Pacífico, em 1991, foi agora identificado pelo Grupo Internacional de Recuperação de Aeronaves Históricas como sendo uma provável peça da fuselagem do avião da norte-americana Amelia Earhart e fez renascer a esperança de encontrar a aeronave que desapareceu perto do Equador em 1937.

 

A peça de metal foi descoberta em 1991, depois de ter sido detetado através de sonar no atol de Nikumaroro, nas ilhas Kiribati, pelo grupo internacional, que tem gasto milhões de dólares nas buscas pelo avião de Earhart, num projeto que envolve centenas de pessoas.

 

«Não percebemos como este pedaço se soltou do avião e acabou na ilha onde o encontrámos. Mas acreditamos ter em mãos um pedaço do avião de Earhart», afirmou Ric Gillespie, diretor executivo do Grupo Internacional de Recuperação de Aeronaves Históricas, à Reuters.

 

Esta descoberta vem reforçar a possibilidade do «elemento pouco comum», detetado pelo sonar em 2012, possa ser o Loockeed Electra «Miami», tripulado por Amelia Earhart e pelo seu navegador, Fred Noonan.

 

«A forte possibilidade de que este objeto é parte do avião 'Miami' significa que poderá ser uma pista importante para descobrir o que aconteceu e encontrar o aparelho», disseram ainda os investigadores do grupo internacional.

 

De acordo com o grupo, o pedaço de alumínio encontrado em 1991 assemelha-se a uma peça de 48 por 58 centímetros, instalada no avião de Earhart em vez da janela do avião.

 

O anúncio de que uma nova análise tinha determinado que a peça pertencia ao avião da norte-americana causou algum ceticismo nos especialistas de aviação, uma vez que não existe nenhum número de série nem foi feita uma revisão independente.

 

«Como é que se consegue estabelecer que certo pedaço de alumínio pertencia a determinado Lockheed Electra se não há um número de série ou algo parecido nele?», questionou Dick Knapinsky, porta-voz da Associação de Aviação Experimental.

 

Nova expedição em 2015

 

O Grupo Internacional de Recuperação de Aeronaves Históricas prevê que, em 2015, seja realizada aquela ilha de coral para tentar encontrar o avião.

 

Amelia Earhart foi a primeira mulher a realizar a travessia do Atlântico aos comandos de um avião sozinha. Em 1937, pretendeu completar a volta ao mundo.

 

No entanto, a 2 de julho, Earhart, de 39 anos, e o seu navegador, Fred Noonan, desapareceram perto do Equador, sem deixarem rasto, o que se tornou num dos maiores mistérios da história da aviação.