Os fundadores do Facebook e Twitter, Mark Zuckerberg e Jack Dorsey, foram diretamente ameaçados num vídeo feito pelo grupo “Os filhos do exército do Califado”, forte apoiante do Estado Islâmico. 

O vídeo de propaganda tem a duração de 25 minutos e nele podem ser vistas fotografias de Zuckerberg e Dorsey com marcas de balas.

Foram os analistas da Vocativ - empresa que encontra notícias online que não estão disponíveis nos motores de busca tradicionais - que descobriram o vídeo na aplicação Telegram, muito usada pelo Estado Islâmico.

O grupo extremista diz que esta é a resposta aos crescentes esforços do Facebook e Twitter de cancelar contas e remover publicações entendidas como incitação à violência.

No vídeo é possível ver os hackers a mudar perfis e a publicar publicidade a favor do Estado Islâmico naquelas redes sociais e a afirmar já terem conseguido alterar mais de 10 mil contas e 150 grupos do Facebook e mais de cinco mil perfis do Twitter.

Muitas dessas contas foram atribuídas aos nossos apoiantes”, afirmam no vídeo.