O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou veementemente o sequestro de centenas de estudantes nigerianas, enquanto o Secretário-Geral da organização nomeou um enviado para o país para ajudar nas buscas.

Mais de 200 jovens foram raptadas da escola de Chibok, no norte da Nigéria, pelo grupo islâmico radical Boko Haram, a 14 de abril, o que provocou uma onda de indignação global.

Os movimentos diplomáticos surgem depois da Amnistia Internacional ter denunciado que os militares da Nigéria tinham sido avisados de um ataque à escola, mas demoraram mais de cinco horas a atuarem.