O candidato republicano na corrida para presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez uma aparição num vídeo pornográfico produzido pela Playboy, noticia o The Independent.

No vídeo de 2000, intitulado Video Centerfold, Trump surge numa versão não sexual, acompanhado de celebridades da Playboy, a abrir uma garrafa de champanhe e a espalhar a espuma numa limousine da Playboy numa rua de Nova Iorque.

 

O clip foi obtido numa loja de vídeos para adultos, em Buffalo, pelo site Buzzfeed News, que descreve o resto do filme com “mulheres totalmente nuas em posições sexuais, a dançarem nuas, a tocarem-se a si mesmas, a tocarem outras, de forma sensual, a despejarem mel sobre si, a tomarem banho, e a vestirem-se com trajes/ fantasias”.

O site publicou as imagens na sequência dos ataques do magnata à ex-Miss Universo, Alicia Machado, uma das figuras que deu a cara pela campanha da adversária de Trump, Hillary Clinton, e que foi alvo de críticas por ter vencido o concurso de beleza na década de 1990. Trump twittou-a como “repugnante”, alegando que ela tinha aparecido num vídeo de sexo.

Trum podia estar a referir-se às imagens da Alicia Machado num reality show espanhol, aparentemente, a ter relações sexuais debaixo dos cobertores, ou a vários vídeos que levaram o seu nome para sites pornográficos na internet, mas nos quais ela não aparece.

A atriz, natural da Venezuela, que, recentemente, se tornou cidadã norte-americana, também pousou em topless para a edição mexicana da Playboy.

No passado, Trump nunca foi pudico em relação a vídeos pornográficos ou de teor sexual.  Em 2003, numa entrevista com Howard Stern, admitiu que tinha visto, com a sua atual mulher, Melania, o vídeo de sexo da Paris Hilton. Trump, que é amigo dos pais de Paris e a conhece desde os 12 anos, sugeriu que o vídeo tinha tornado “Paris mais sexualmente atraente aos olhos do mundo”.