O líder supremo iraniano, Alí Jameneí, enviou recentemente uma carta ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na qual evita comprometer-se a combater os jihadistas do Estado Islâmico depois de alcançado o acordo nuclear, revela o «The Wall Street Journal».

A carta de Alí Jameneí respondia a uma missiva de Obama de novembro, em que o líder norte-americano pede colaboração na luta contra os extremistas do Estado Islâmico depois do Irão rubricar o acordo nuclear que está a negociar com o grupo G5+1 – China, Rússia, França, Estados Unidos e Reino Unido e Alemanha.

«A resposta do líder supremo foi respeitosa, mas não houve nenhum compromisso», explicou um diplomata iraniano ao diário norte-americano.

Nenhum dos Governos confirmou oficialmente a troca de correspondência entre os dois líderes.

A 6 de novembro, Barack Obama tinha enviado uma carta secreta ao ayatola na qual manifestava o interesse bilateral de combate ao Estado Islâmico.

Apesar de Teerão e o G5+1 terem determinado como data limite 24 de novembro do ano passado para alcançar um acordo nuclear, que coloque um ponto final em mais de 12 anos de acusações e sanções internacionais contra o Irão, foi acordado um prolongamento por sete meses até 1 de julho deste ano.