O regime sírio e a aviação russa intensificaram nas últimas 24 horas os bombardeamentos sobre as zonas controladas por rebeldes e ‘jihadistas’ em Alepo e noutras regiões do norte do país, matando perto de 70 civis, foi divulgado este domingo.

Os combates concentram-se atualmente a sul e a sudeste de Alepo. O exército do regime de Bashar al-Assad apoiado por combatentes iranianos, iraquianos e do movimento xiita libanês Hezbollah enfrenta o Exército da Conquista, uma aliança entre os rebeldes e os ‘jihadistas’ da Frente Fateh al-Cham (ex-Frente al-Nosra que renunciou à ligação à Al-Qaida).

As tropas governamentais estão em dificuldade em Alepo – a segunda cidade do país dividida desde 2012 em bairros rebeldes no leste e zonas pró-regime a oeste – após o revés sofrido nos primeiros dias de agosto, quando os rebeldes ocuparam o bairro de Ramoussa, o que lhes permitiu romper o cerco imposto pelo governo.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), nas últimas 24 horas ataques aéreos sírios e russos atingiram setores rebeldes no leste de Alepo e mais a oeste, bem como na província vizinha de Idleb.

Pelo menos 45 civis morreram na cidade e província de Alepo e 22 em Idleb, precisou o OSDH, sublinhando que os bombardeamentos continuam nas duas regiões.

Nove outros civis morreram no oeste de Alepo devido a disparos rebeldes, adiantou.

Desencadeado em março de 2011 pela repressão de manifestações pró-democracia, o conflito sírio tornou-se mais complexo com a intervenção de partes estrangeiras e a ascensão dos ‘jihadistas’ e já causou mais de 290 mil mortos, tendo obrigado milhões de pessoas a abandonarem as suas casas.