Pelo menos 9.307 civis morreram e 49 mil ficaram feridos em bombardeamentos da aviação síria em 13 províncias do país nos últimos 22 meses, de acordo com estatísticas hoje divulgadas pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Das mais de nove mil pessoas que morreram no período entre 20 de outubro de 2014 até esta madrugada 1.992 eram menores e 1.327 mulheres.

Estes ataques aéreos provocaram também a morte a 5.244 combatentes de grupos armados islamitas, incluindo a organização jihadista que se autoproclama de Estado Islâmico.

Mais de 100 combatentes mortos numa semana de batalha em Alepo

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos anunciou, também este sábado, que 108 militares e combatentes rebeldes morreram numa semana de confrontos e combates no sul da cidade de Alepo.

Pelo menos 61 dos mortos pertenciam a fações da oposição, na sua maioria de tendência islamita, entre eles Abuleil al Tunsi, comandante militar do grupo Ansar al Islam.

Nas fileiras governamentais morreram 47 militares e milícias aliadas, segundo a contagem do Observatório, que adiantou que entre as baixas figuram 16 oficiais e o comandante da Escola Técnica Aérea, o general Dib Basie.