Uma entidade alemã financiada por várias empresas automóveis está a ser acusada de utilizar 25 pessoas como cobaias, num estudo, sujeitando-as à exposição a gases de escape de carros durante um mês. O mesmo organismo já tinha sido acusado de usar macacos em experiências semelhantes. Os fabricantes que financiam  a  instituição já vieram negar o seu envolvimento. Nesta segunda-feira, o governo alemão já reagiu o escândalo que está a chocar a Alemanha. 

Estes testes em macacos e em humanos não são justificados eticamente de forma nenhuma”, afirmou Steffen Seibert, porta-voz de Angela Merkel, citado pela BBC.

O estudo em questão, de 2014, foi realizado pelo Grupo Europeu de Investigação sobre Ambiente e Saúde no Setor dos Transportes – EUGT –, que, por sua vez, foi financiado por empresas como a Volkswagen, a Daimler e a BMW.

De acordo com o The New York Times, que inicialmente denunciou os testes, esta experiência tinha o objetivo de contrariar a decisão da Organização Mundial de Saúde, em 2012, de considerar o diesel libertado pelo escape dos automóveis cancerígeno. Para isso, 10 macacos foram expostos ao fumo de vários carros, numa experiência que teve lugar num laboratório em Albuquerque, no Novo México, Estados Unidos da América.

Precisamos de uma explicação rápida e completa agora”, escreveu Barbara Hendricks, ministra do ambiente, no Twitter, classificando estes atos como “abomináveis” e sem qualquer justificação.

Já esta segunda-feira, os meios de comunicação alemães denunciaram também o facto de 25 pessoas terem inalado fumo diesel numa outra experiência do EUGT, publicada em 2016. Foram expostas, durante um mês, a diversas concentrações desta substância, que contém gases nocivos para a saúde. Nesta altura, a indústria de fabrico automóvel afirmava que a tecnologia moderna tinha conseguido reduzir a poluição dos motores diesel para níveis seguros.

A empresa Daimler, que fabrica automóveis da Mercedes-Benz, publicou no Twitter, no domingo, que se distancia deste tipo de experiências e que as condena.

Da mesma forma, a Volkswagen afirmou não estar envolvida com o estudo do EUGT. A empresa assegurou que vai ser iniciada uma investigação.

Nós sabemos que os métodos científicos utilizados pelo EUGT foram errados e pedimos sinceras desculpas por isso”.

Os níveis de poluição causada por carros a diesel continua bastante elevada em várias cidades da Alemanha, nomeadamente em Munique, Estugarda, Hamburgo, Düsseldorf e Colónia.