O Conselho de Ministros da Alemanha aprovou esta terça-feira a intervenção das suas forças armadas na luta contra o Estado Islâmico na Síria. A missão poderá mobilizar até 1.200 militares, segundo uma fonte governamental citada pela agência AFP.

Segundo a agência francesa, Berlim tinha anunciado, na sequência dos atentados em Paris, que faria deslocar uma fragata e aviões de reconhecimento e de reabastecimento para apoiar as forças da coligação internacional que estão a bombardear alvos dos jihadistas na Síria.

O mandato cobre todo o ano de 2016 e terá ainda de ser aprovado pelo parlamento alemão.

Os ataques em Paris, que foram reivindicados pelo Estado Islâmico, provocaram a morte a 130 pessoas, a 13 de novembro. 

Numa resposta aos ataques, França intensificou os ataques aéreos na Síria, contra as posições dos jihadistas. 

David Cameron também já afirmou que quer que o Reino Unido participe na luta contra os rebeldes, considerando que o país é um dos principais alvos do Estado Islâmico.

Desde os atentados na capital francesa, os países europeus reforçaram as medidas de segurança e apertaram o controlo a possíveis ameaças terroristas.