A deposição do Presidente egípcio Mohamed Morsi pelo exército constitui «um grande retrocesso para a democracia», afirmou o chefe da diplomacia alemã, Guido Westerwelle, que apelou a todas as partes para renunciarem à violência.

«É um grande retrocesso para a democracia no Egito», disse o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão à imprensa durante uma visita à Grécia. «É urgente que o Egito regresse o mais rapidamente possível à ordem constitucional. Há um risco real de a transição democrática no Egito ser gravemente prejudicada».

Numa altura em que se têm registado confrontos entre apoiantes e opositores de Morsi, Westerwelle apelou a todas as partes para que mostrem contenção.

«Apelamos a todas as partes que renunciem à violência. Vamos acompanhar de perto os desenvolvimentos no Egito para depois tomarmos as nossas decisões políticas e retirarmos as nossas conclusões», disse.

«Detenções políticas e uma vaga de repressão política têm de ser evitadas a todo o custo. Tudo deve ser feito para que o país regresse à ordem democrática», insistiu.