Cerca de 80 alemães, a maior parte identificados como seguidores de ideais de extrema-direita, envolveram-se em confrontos com cerca de 20 refugiados e migrantes, esta quarta-feira, na cidade de Bautzen, este da Alemanha.

Segundo o porta-voz da polícia, Thomas Knaup, as autoridades foram chamadas a intervir e separaram os dois grupos, tendo os agentes sido obrigados a usar cassetetes e gás pimenta sobre intervenientes de ambas as partes. Os cerca de 100 elementos policiais também acabariam por ser atacados pelo lado dos refugiados e migrantes, que arremessaram garrafas e pedras contra os polícias.

Em comunicado emitido esta quinta-feira, a polícia confirmou que a confusão foi provocada pelos refugiados e migrantes, sem avançar qualquer detalhe.

As autoridades acabariam por escoltar os migrantes até ao centro de refugiados, sempre seguidos pelo grupo de alemães. A polícia acabaria por ficar a guardar a propriedade e instruiu os 32 migrantes que vivem ali para que não abandonassem a residência.

Várias pessoas sofreram ferimentos, mas apenas um jovem migrante de 18 anos, que apresentava alguns cortes, precisou de assistência médica. A ambulância chamada ao centro de refugiados para tratar o sujeito acabaria por ser atacada por elementos do grupo oposto com pedras.

Segundo o Deutsche Welle, esta não é a primeira vez que a cidade é palco de violência contra refugiados e migrantes. Em fevereiro, um antigo hotel que estava a ser transformado num centro de refugiados foi incendiado. Há também registos de outros confrontos em ruas da cidade e na praça Kornmarkt, onde a venda de álcool já foi proibida. Numa tentativa de acabar com a violência a cidade está a tentar avançar com uma proibição completa da venda de bebidas alcoólicas e um recolher obrigatório a partir das 19:00 para os jovens migrantes que vivem na cidade.