Um colaborador dos serviços secretos alemães foi detido por suspeitas de estar a espiar para os Estados Unidos, de acordo com as declarações de dois deputados alemães à Reuters.

O procurador-geral federal da Alemanha confirmou a detenção mas não adiantou detalhes sobre o assunto.

O caso volta a por em risco as relações entre a Alemanha e os Estados Unidos, depois de no ano passado ter sido revelado que a Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla inglês) norte-americana tinha espiado cidadãos alemães através de escutas telefónicas, incluindo a chanceler Angela Merkel.

De acordo com fontes da Reuters, o suspeito, que é alemão e tem 31 anos, admitiu ter passado a um cidadão americano informações referentes ao trabalho de uma comissão parlamentar destinada a investigar as revelações sobre as atividades da NSA.

Os deputados, que pertencem a esta comissão especial, acrescentam que o suspeito terá oferecido os seus serviços aos Estados Unidos de forma voluntária.

Segundo o jornal alemão «Sueddeutsche Zeitung» e os canais «WDR» e «NDR», inicialmente as suspeitas eram de que o homem tinha contatado agentes russos. Só depois de ter sido detido o alemão confessou ter colaborado com os americanos.

O jornal «Bild» avança que o homem trabalhou dois anos como agente duplo e roubou 218 documentos confidenciais. Três dos documentos estavam relacionados com o trabalho da comissão e terão sido vendidos por 25 mil euros.

Sttefen Seibert, porta-voz da chanceler Angela Merkel já se pronunciou sobre o assunto.

«Não lidamos com questões de espionagem estrangeira de ânimo leve», declarou.

Quanto aos Estados Unidos, tanto a embaixada norte-americana em Berlim como a Casa Branca em Washington recusaram-se a comentar o caso.