O chefe do Exército egípcio disse este domingo que vai enfrentar com firmeza a «violência islâmica», nas primeiras declarações após a operação contra os apoiantes do ex-presidente Morsi, na quarta-feira.

«Não nos vamos manter em silêncio face à destruição do país», disse o general Abdel Fattah al-Sisi, o rosto do golpe de Estado de 3 de julho que levou à deposição do presidente Mohamed Morsi.

O general al-Sisi falava durante um encontro com chefias militares e policiais na capital do Egito, no qual também garantiu que «há espaço para todos» no país.

Entretanto, os apoiantes do ex-presidente Morsi cancelaram as marchas de protesto previstas para este domingo no Cairo por motivos de segurança.

«As marchas do Cairo foram canceladas por motivos de segurança» disse à AFP Yasmine Adel, porta-voz da Coligação Anti-Golpe de Estadom, de que faz parte a Irmandade Muçulmanda.