A morte foi anunciada pelo Pentágono segundo a CNN, que cita o comunicado:

 

Adan Garar era «responsável por coordenar as operações no exterior do grupo extremista somali, que tinham como alvos personalidades americanas e outros interesses ocidentais, de modo a perseguir os objetivos da al Qaeda», justifica o Pentágono.

O grupo extremista al Shabaab tem sido responsável por vários ataques violentos a cidades e mercados. Atacou um quartel geral da ONU em Mogadíscio e o centro comercial de Nairobi, no Quénia.